Imersos desde crianças num mundo mediado pelas telas dos

smartphones e com possiblidade de acesso ininterrupto à informação, a Geração Z

tem uma predileção por atividades de lazer on-line. É o que indica o estudo

conduzido pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e pelo SPC

Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) em parceria com o Sebrae (Serviço

Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas). Dados do levantamento

mostram que 54% dos jovens de 18 a 24 anos afirmam que nos momentos de lazer, a

atividade mais comum é navegar na Internet. Seguido de ouvir música (53%) e

assistir filmes, seriados, novelas e programas em geral (51%).

A constante conectividade e exposição desses jovens faz com

que eles se preocupem com a aparência física e com a autoimagem, uma vez que

92% tomam alguma atitude para ficar mais bonitos e se sentir bem e confiantes.

De acordo com a pesquisa, 47% dos jovens costumam comprar roupas, sapatos e

acessórios. Enquanto 46% afirmam que cuidam dos dentes, 41% procuram se

alimentar de forma saudável e 40% fazem atividades físicas. Somente 8% admitem

não fazer nada com este objetivo.

Esses jovens também parecem dispostos a investir na

qualidade de vida, uma vez que nove em cada dez entrevistados dizem que tomam

algum cuidado com a saúde (94%), sendo que os principais são dormir bem (48%) e

fazer exercícios físicos (45%) e evitar pensar em coisas negativas (44%).

O presidente da CNDL, José César da Costa, aponta que a

constante presença nas redes sociais faz com que os jovens da Geração Z tenham

uma preocupação com a autoimagem, uma vez que estão sujeitos a um alto grau de

exposição.

“Esses jovens estão sempre conectados e as redes sociais são

extensões de sua personalidade. São pessoas cuja trajetória de vida é acompanhada

de perto em postagens públicas de vídeos e fotos nas redes sociais, onde

percebe-se que há uma atenção no cuidado com a própria imagem”, afirma Costa.

Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Conteúdo Patrocinado

MAIS ACESSADAS