A Nasa (Agência

Espacial Americana) afirmou nesta terça-feira (14) que a nuvem de fumaça gerada

pelos incêndios florestais na Austrália dará pelo menos uma volta ao mundo,

retornando ao céu de seu país de origem.

De

acordo com os cientistas, a fumaça chegou a 17,7 quilômetros de altitude,

alcançado a estratosfera inferior. "Uma vez na estratosfera, a fumaça pode

viajar milhares de quilômetros, afetando globalmente as condições

atmosféricas", destacou a Nasa.

Com

satélites, a agência está monitorando a nuvem de fumaça vinda da Austrália e

disse que ela já viajou por metade do globo. Além de modificar a cor do céu por

onde passa, a fuligem prejudica a qualidade do ar nas regiões atingidas. Na

semana passada, ela chegou ao

Chile, Argentina e no sul do Brasil.

A

Nasa também identificou alterações na neve de montanhas na Nova Zelândia, que

estão escurando devido ao fenômeno. A qualidade do ar no país também está com

problemas severos.A fleet of NASA satellites 🛰️ working together has been analyzing the aerosols and smoke from the massive fires burning in Australia.https://t.co/93geNvCBnU pic.twitter.com/ZedZ199lvJ— NASA Goddard (@NASAGoddard) January 9, 2020 Os

incêndios que atingem a Austrália desde setembro já destruíram uma superfície

maior do que o território da Irlanda, ou 11,8 milhões de hectares, provocando

28 mortes e destruindo mais de 3 mil residências.

Nesta

terça-feira, a qualidade do ar na segunda maior cidade australiana, Melbourne,

se agravou devido ao aumento da fumaça provocado pelos incêndios no leste.

Autoridades alertaram os moradores para evitar atividades ao ar livre. Os

serviços meteorológicos anteciparam que a forte nuvem de poluição atmosférica

se manterá pelo menos até à tarde de quarta-feira na região.

Além

do impacto na saúde pública, a fumaça tem causado problemas adicionais para os

bombeiros, devido aos falsos alarmes de incêndio causados pelo excesso de

fumaça no ar.

O

governo australiano disponibilizou reservistas do Exército para atuar nas áreas

atingidas e anunciou fundos de 1,4 bilhão de

dólares (5,68 bilhões de reais) a serem usados ao longo de dois anos como

auxílio contra os danos resultantes dos incêndios.

Incêndios mataram 28 pessoas e mais de 1 bilhão de animais. Foto: Reprodução

Conteúdo Patrocinado

MAIS ACESSADAS