Pesquisas apontam que a maioria dos brasileiros não

conseguem cumprir com as metas que eles mesmos estabelecem para si no início do

ano. Segundo a especialista em desenvolvimento humano Rebeca Toyama, isso pode

ocorrer por falta de clareza do que se quer alcançar, de planejamento de etapas

e meios, ou mesmo por falta de foco. “O que você está fazendo para alcançar

[suas metas]? Essa é uma pergunta essencial”, diz ela, que é especialista em

planejamento de carreira e educação financeira e fundadora da Academia de

Coaching Integrativo. E é assim mesmo quando se refere às três coisas que as

pessoas, em geral, mais desejam ter: tempo, dinheiro e felicidade.

TEMPO

Como ter mais tempo?

Essa é a variável mais crítica e mais escassa. Diferente

do dinheiro, que pode crescer se você muda de trabalho, investe ou mesmo pode

vir de alguma herança ou prêmio, tempo não se multiplica. “Você tem as 24 horas

do dia e acabou. Se não planejar, vai ter sempre essa frustração. Então, se são

24 horas, eu sempre oriento as pessoas a começar dividindo em três: oito horas

de descanso, oito de trabalho (geração de renda) e oito dedicadas aos cuidados

pessoais e das pessoas queridas, do seu patrimônio, como a sua casa”.

E, “se o tempo é escasso e quer ir a Roma, tem que colocar

dentro dele coisas que te levem a Roma”, afirma. Quer fundar uma startup, mudar

de carreira, viajar, passar mais tempo com os filhos? Então tem que colocar no

planejamento - seja ele diário, semanal, mensal ou mesmo de longo prazo, em

anos -, ações que levem para lá. “É preciso pensar ‘para que estou fazendo

isso?’. Às vezes se perde muito tempo com coisas que não levam a lugar nenhum,

e depois fica-se exatamente com essa sensação, a de que se perdeu tempo”.

Divulgação

Tomando as rédeas do seu destino

"Se o tempo é escasso e quer ir a Roma, tem que colocar

dentro dele coisas que te levem a Roma”

DINHEIRO

Como ficar livre dos boletos?

Em São Paulo, uma enquete sobre o que as pessoas queriam

para 2020, pela primeira vez em anos, trouxe, em primeiro lugar, não as

questões familiares ou amorosas, mas financeiras. “Ou as pessoas estão com mais

consciência financeira ou estão pondo a sua responsabilidade em simpatia.

Porque a verdade é que o Brasil está mais ou menos 30 anos atrasado quando se

fala de educação financeira”, aponta Rebeca.

E talvez a própria crise e cortes nas políticas públicas

possam ser uma abertura para essa mudança. “As pessoas estão entendendo que não

dá para esperar pela Previdência, pelo emprego vitalício, e a expectativa de

vida só está aumentando. Percebem que precisam juntar mais para ter uma velhice

com qualidade. Elas precisam tomar nas mãos a sua saúde financeira”. Mais uma

vez, ela ensina: planejar caminhos de curto e, principalmente, a longo prazo;

não traçar metas fora da sua realidade; e reavaliar com frequência o que está

dando certo e o que não está.

FELICIDADE

Como ser mais feliz?

As três coisas que as pessoas mais querem estão ligadas a

planejamento. Mas a felicidade está especialmente ligada à expectativa. “Todo

mundo precisa de uma expectativa para sair da cama. Se já tem tudo o que

desejou, você passa a régua e segue em busca de um novo objetivo. Mas tem gente

que põe a expectativa muito no alto. Se o passo for maior que minha perna,

planejo pequenos passos e comemoro cada um deles, ou vou viver em estado de

angústia. Uma frase recorrente dos meus clientes é: ‘nossa, nunca pensei que

podia planejar felicidade’. Mas a gente planeja, basta organizar o tempo e o

dinheiro para alcançar o que se sonha”.

Por isso é importante abordar os três aspectos juntos,

como um tripé, diz Rebeca. Se não se planeja, você vive sem dinheiro e tem que

trabalhar ainda por mais tempo - muitas vezes, trabalhar com algo que nem

gosta. Uma consequência pode ser não ter tempo para as coisas que te fazem bem,

“a vida despenca, você se sente infeliz e não sabe por quê”, diz Rebeca.

As metas que estão fora do propósito de vida de cada

pessoa também contribuem para que esse planejamento não traga resultados.

VIRANDO O JOGO

Como alinhar o planejamento?

Rebeca Toyama recomenda cinco passos para reavaliar o seu

planejamento e conseguir melhores resultados em 2020:

>> Faça uma boa retrospectiva do ano que passou,

identificando erros e acertos paralelamente;

>> Tenha metas claras e de longo prazo, além de escolher

objetivos e metas alinhadas com o seus valores e propósitos. Investir em um

caminho sobre o qual não se tem referência é árduo e levará mais tempo para se

colher frutos;

>> Não deixe de consultar periodicamente os objetivos

propostos. Esteja sempre atento fazendo um acompanhamento diário ou mesmo

mensal. Use um aplicativo, planilha ou lembrete para ajudar nesta tarefa:

>> Revisite suas expectativas, reduzindo seu grau de

ansiedade. Tentar reorganizar suas propostas dividindo em tarefas semanais ou

mensais com precisão: dedicar um número de horas a determinadas atividades,

conseguir poupar um valor definido de recursos, com foco;

>> Celebre as metas atingidas. Isso ajuda a reduzir a

cobrança e aumentar a autoestima em cada progresso.

Foto: Reprodução

Conteúdo Patrocinado

MAIS ACESSADAS