Vinte e cinco anos depois de começar a carreira, Vera Verônika sobe ao palco para gravar seu primeiro DVD. Com um repertório de canções inéditas e músicas gravadas no recente disco “Mojubá”, a primeira rapper do DF convida artistas de diferentes gerações e o público para a celebração. Será nesta terça-feira (25/7) no Teatro Plínio Marcos (Funarte).

Hoje com 38 anos, Vera Verônika começou a carreira aos 12. “Mas o primeiro show foi aos 13”, emenda. Professora universitária e educadora, ela tirou licença para se dedicar ao projeto. O período fora da sala de aula se encerra em dezembro, a tempo do lançamento do DVD, em novembro.

googletag.cmd.push(function() {

googletag.defineSlot("/123935210/PUB_CAT_PAI-300x250-G-2", [[300, 250] , [336 , 280]], "PUB_CAT_PAI-300x250-G-2").addService(googletag.pubads());

googletag.pubads().enableSingleRequest();

googletag.enableServices();

});

1/5

2/5

3/5

Publicidade

googletag.cmd.push(function() { googletag.display("PUB_CAT_PAI-300x250-G-2"); });

4/5

5/5

Mais sobre o assunto Cantor da capital vence em 2 categorias do Prêmio da Música Brasileira Entre as várias participações programadas, Vera convidou X, do Câmbio Negro – formação clássica do rap –, a cantora Indiana Nomma, o DJ Chokolaty e a percussionista Nãnan Matos.

Outro artista fundamental chamado por Vera é Nelson Triunfo, um dos precursores da cultura hip-hop no país. “Ele trouxe o rap para Brasília.”

Para além do rap

O conceito pensado por Vera para o registro passa pela mistura de linguagens artísticas e ritmos musicais. Uma música para cada um dos 25 anos de trajetória. “Teremos várias roupagens, como maracatu, regionalismos, sanfoneiros. E outras novidades”, detalha a cantora.

Capoeiristas, dançarinos de break, video mapping do VJ Aníbal, grafite de Satão, do grupo DF Zulu, e referências de teatro e circo compõem o colorido rítmico e visual da gravação.

A ambientação multicultural encontra correspondência nas músicas de Vera Verônika. “Elas sempre são temáticas. É o que a gente vive”, explica a artista. E, de fato, cada faixa da rapper tem um recado claro a dar.

Do disco “Mojubá”, a canção-título celebra a religiosidade africana e a sua intensa ligação com a identidade negra. “Caladas Não Mais” e “Assediadas” denunciam a violência contra a mulher. “Quem foi que decidiu que pra morrer basta a minha cor”, desabafa em um dos versos de “Genocídios”, contra o racismo.

“Nesse DVD vai sair a música ‘Destino’, com 21 mulheres que cantam rap no DF. Queremos igualdade de gênero, mais respeito à mulher e à diversidade. Não que tenhamos que ser iguais, mas que sejamos equiparados nas questões políticas e ideológicas. E também nos salários”, aponta a artista.

Gravação do DVD “Vera Verônika – 25 Anos”

Terça-feira (25/7), às 20h, no Teatro Plínio Marcos (Funarte). Entrada franca mediante retirada de ingressos na bilheteria (a partir de 19h). Classificação indicativa livre

Fonte: Metropoles

Conteúdo Patrocinado

MAIS ACESSADAS