Um golpista, ainda não identificado, fingiu ser o astro de hollywood Leonardo DiCáprio e enganou uma senhora de 60 anos, em Águas Claras, no Distrito Federal. Ele convenceu a idosa de enviar uma remessa de dólares para um banco norte-americano. A Polícia Civil tenta identificar o autor do crime, a vítima foi lesada em US$ 1,5 mil, o equivalente a R$ 6 mil reais.

As investigações ainda estão em fase inicial, mas a polícia ouviu a vítima, que é servidora pública aposentada e engajada em causas ambientais. O que facilitou ao golpista enganar a idosa.

Ele aproveitou que DiCaprio é envolvido em causas ambientais para abordar a mulher através de uma rede social. As conversas entre os dois eram em inglês.

Em depoimento a mulher contou a PC que o golpista usava um perfil falso do ator, com fotos, textos e vídeos do astro de franquias como Titanic e O Lobo de Wall Street.

O golpista disse ser DiCaprio e que estava trabalhando em um projeto de desenvolvimento de um veículo antipoluente, com motor elétrico e ecologicamente correto. Em seguida, ele ainda propôs que os dois conversassem por WhatsApp e enviou um número com código de área dos Estados Unidos para a vítima.

Após várias trocas de mensagens, ele questionou se a mulher tinha interesse em investir no projeto de lançamento do carro ecológico. Pois estava arrecadando fundos e várias pessoas envolvidas com ambientalismo viam no veículo uma importante ferramenta de preservação ambiental.

A mulher aceitou a proposta e resolveu doar o valor de US$ 1,5 mil, que foram transferidos para uma conta do Bank of America, nos EUA.

Após a transferência, o golpista esperou dois dias para contactar novamente a vítima, dessa vez através de um e-mail. Ele disse que precisava de mais US$ 3,5 mil. A vítima então suspeitou e procurou a Polícia Civil, ela foi alertada de que se tratava de um golpe. Após o último contato, o golpista não procurou mais a mulher.

Em entrevista ao Metrópoles, a Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC), delegado Giancarlos Zuliani, falou sobre os primeiros passos da investigação que está apurando esse novo tipo de golpe. A polícia tanta também identificar o ponto de onde partiam as mensagens e o local, de fato, onde se encontra o criminoso.

“Nem sempre o fato de o suspeito usar um telefone com prefixo americano que dizer que ele está nos Estados Unidos. Atualmente, existem serviços que possibilitam a compra desses números para usá-los em qualquer estado brasileiro”, explicou.

Foto: Divulgação

Conteúdo Patrocinado

MAIS ACESSADAS