A ex-presidente Dilma Rousseff comemorou a indicação de

"Democracia em Vertigem", ao Oscar 2020 de melhor documentário, feita

pela Academia na manhã desta segunda (13).

Documentário sobre impeachment de Dilma é indicado ao OscarFoto em documentário 'Democracia em Vertigem' é adulterada e diretora explica o motivoNo comunicado, publicado em seu site oficial, Dilma diz que

o "filme é corajoso, por mostrar o jogo sujo que resultou no meu

afastamento do poder e como a mídia venal, a elite política e econômica

brasileira atentaram contra a democracia no país, resultando na ascensão de um

candidato da extrema direita em 2018".

Ela encerra a nota afirmando que "a verdade não está

enterrada" e que "a história segue implacável" contra aquilo que

define como "golpistas".

"Democracia em Vertigem", dirigido por Petra Costa

e distribuído pela Netflix, concorre com "Indústria Americana"

(produzido pelo casal Barack e Michelle Obama), "The Cave", "For

Sama" e "Honeyland".

Em "Democracia em Vertigem", Costa faz um retrato

pessoal do processo que tirou Dilma da presidência do Brasil, em 2016, a partir

de um ponto de vista pessoal, misturando sua história familiar com a trajetória

política do país. A história começa a ser contada a partir do primeiro mandato

do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003, e segue analisando a

posterior crise política no Brasil.

Em entrevista ao UOL, por telefone, Costa disse que não

esperava a indicação, e comemorou a surpresa. A diretora mineira ainda se diz

honrada por concorrer em uma categoria que traz mais diretoras mulheres (dos

cinco títulos indicados, quatro são dirigidos ou codirigidos por mulheres e

quatro são de fora dos Estados Unidos) e mais diversa.

"A categoria de documentários está representando o

feminino de uma forma impressionante e também representando o cinema

estrangeiro. Isso reflete um passo muito importante que a Academia tem dado

para incluir mais membros estrangeiros e mais mulheres entre os votantes",

diz ela. "Estou feliz pelo Brasil e pela América Latina em um ano que não

tem nenhum latino-americano indicado como melhor filme estrangeiro e nenhuma

mulher indicada como melhor diretora. É muito importante estar representando nessa

categoria", completa.

Leia o comunicado, na íntegra:

A verdade não está enterrada.

A história do golpe de 2016, que me tirou da Presidência da

República por meio de um impeachment fraudulento, ganha o mundo pelas lentes de

Petra Costa no documentário "Democracia em Vertigem". E, para

surpresa de alguns, ganhou hoje indicação ao Oscar.

O filme é corajoso, por mostrar o jogo sujo que resultou no

meu afastamento do poder e como a mídia venal, a elite política e econômica

brasileira atentaram contra a democracia no país, resultando na ascensão de um

candidato da extrema direita em 2018.

Parabéns a Petra e à equipe do filme pela indicação ao

Oscar. A verdade não está enterrada. A história segue implacável contra os

golpistas.

Foto:

Conteúdo Patrocinado

MAIS ACESSADAS